jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

Por que a sociedade prefere não ler e ouvir os advogados criminalistas?

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
há 4 anos

Por que a sociedade prefere no ler e ouvir os advogados criminalistas

Anderson Figueira da Roza

Não é segredo para ninguém: todos sabem que a profissão do advogado criminalista é uma das mais criticadas pela sociedade. Sempre foi assim, embora no fundo todos saibam da importância de tal ofício e é muito mais cômodo criticar aqueles que se colocam na contramão do pensamento da maioria.

Com a disseminação do uso das redes sociais, a exposição fica mais evidente, assim como ocorrem as aproximações e agrupamentos de pessoas que muitas vezes sequer se conheçam pessoalmente, observamos também a livre manifestação de qualquer um que julgar se sentir habilitado para tecer seus pensamentos e opiniões.

É interessante observar que algumas vezes os advogados criminalistas anunciam suas tarefas durante o dia, ou apresentam algum resultado nas redes sociais, e a sua rede de amigos curte, comenta, compartilha, etc. Na verdade deveriam ser atos comuns, como fazem as pessoas comuns. Porém, invariavelmente, publicações ou notícias ligadas à profissão da advocacia criminal, não são vistas com bons olhos. Confesso que eu mesmo já recebi mensagens em particular, de pessoas que realmente conheço quase todas no mesmo estilo, dizendo basicamente que esse tipo de notícia ou de publicação não fica bem para o público, e que deveria cuidar mais para não compartilhar essas informações para o meu próprio bem.

Antes de tudo, é preciso ressaltar que a Constituição Federal assegura a “livre manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”. Logo, por esse viés, ninguém deveria se incomodar com o que o outro escreve e ponto final. Mas isto seria um ideal de que todas as pessoas são felizes e vivem na mais absoluta paz umas com as outras.

Volto a pensar nos amigos que tenho que são médicos, dentistas, engenheiros, arquitetos, professores, administradores de empresas, contadores, economistas, informatas, etc., e fico muito feliz quando noticiam algo relativo às suas atividades profissionais, pois, consigo saber um pouco mais do que estão fazendo e confesso que sempre tenho orgulho de tê-los conhecido em algum momento da minha vida. Nem posso deixar de falar também, dos amigos policiais, delegados, promotores, juízes, que diversas vezes expõem seus pensamentos ou noticiam suas atividades, estão cumprindo seu papel perante a sociedade, e merecem sem dúvida alguma o respeito e a admiração que tenho por cada um, e eles sabem disso.

No entanto, logicamente, me coloco na posição de um cidadão, que vive num país cheio de denúncias de corrupção, da violência desenfreada, da individualidade se sobrepondo cada vez mais em face da coletividade, e realmente é complicado que diante desse contexto saber que os advogados criminalistas noticiam que alguém foi solto, absolvido ou algum processo anulado. No fundo, as pessoas em geral pensam no primeiro momento que aumenta a conta dos beneficiários da impunidade, é compreensível.

Mas, para que não fiquem dúvidas, os advogados criminalistas lançam essas publicações e notícias por que:

1) Com o máximo respeito às todas outras profissões dignas, mas ninguém procura um advogado criminalista para expor uma ideia de benefício para si mesmo, ou para os outros. Quem nos procura está ou estará na iminência de se defrontar com uma acusação séria e que vai lhe tirar a tranquilidade e o sono por muito tempo;

2) Depois de contratado, seu cliente no mínimo já está com algum chamado a comparecer numa delegacia para prestar esclarecimentos sobre algo, e jamais esqueçam que o papel aceita qualquer narrativa de algum fato criminoso, por mais esdrúxula e descabida. Uma vez noticiado, alguém vai ter que se defender;

3) Só quem milita na advocacia criminal consegue mensurar o peso de ter uma acusação equivocada ou julgada antecipadamente pela sociedade em geral;

4) Quando um processo criminal depende muito da prova testemunhal, as palavras dos policiais terão um valor muito maior do que qualquer testemunha idônea de defesa;

5) O advogado criminalista defende sozinho seu cliente perante o Estado acusador (Polícia e Ministério Público), para que seja julgado pelo Estado juiz (Poder Judiciário).

Então, quando você estiver lendo alguma publicação ou notícia vinda de um advogado criminalista amigo seu, saiba que subjetivamente ao que está escrito, existem muitos sentimentos que somente ele guardou até aquele momento, e esta capacidade de rapidamente se expor, pouco comemorar, e no dia seguinte recomeçar do zero em outro processo é que nos faz diferente.

Por que a sociedade prefere no ler e ouvir os advogados criminalistas

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Olha, vou além, é difícil se apontar como advogado, é difícil debater direito no Brasil, não só direito penal, porém, qualquer forma, é uma tarefa bem complicada, e temos aqui mesmo nessa página, exemplos disso.

Infelizmente, pela mídia, e até mesmo pela ação de alguns profissionais, a advocacia, e os advogados, ficaram com um stigma, uma marca, sendo que somos apontados como safados, mentirosos, psicopatas, oportunistas, malandros, e demais fatos pejorativos.

Não que alguns realmente sigam tais apontamentos, mas nem de longe é a maioria, e nem de longe a mídia e o povo em geral sabe o que é a advocacia.

Mas sobre as manifestações, bem, algo que é comum para todos os juristas, é que todo assunto jurídico é amplamente debatido, e de forma até cômica, jornalista ganha mestrado em direito, engenheiro é pós graduado em direito, médico tem pós doutorado em direito, e por ai vai, todos sabem muito mais que um advogado.

E sem pre usam os mesmos pontos:

- Mas eu vi em tal jornal falando isso.

- Mas tal comentarista falou isso.

- Tem um especialista que fala na radio tal que discorda de você.

Bem, é complicado, quase todo debate jurídico, acaba com um grupo tentando impor o senso comum, tentam colocar o que o jornalista X ou comentarista Y falou, como sendo mais valido do que a visão técnica.

Não importa a área, não importa o tema, sempre tem as mesmas coisas, as mesmas manifestações, os mesmos argumentos.

Isso, quando não partem para a apelação:

- Mas você sabe que ninguém segue a lei.

- Do que adianta esse texto se o juiz decide o que ele quiser.

E dai, todo e qualquer debate se encerra, acaba, sem resultados positivos, com o imperativo do senso comum.

Aponto, que a área criminal é bem mais afetada, não só pela matéria, mas também pela exposição, pela pressão da mídia, que ainda aponta no judiciário, a fonte da injustiça e da impunidade.

Apontam que os advogados com seus recursos sem fim, criam a impunidade pois tal criminoso não vai para a cadeia.

Porém, não falam que apenas 10% dos crimes vão ser julgados no judiciário, e que menos de 10% dos casos são tocados por advogados que levam os processos as ultimas instancias, o que daria que apenas 1% dos casos de crimes, tem alguma influência de advogados.

E bem, também não falam da morosidade do estado, que é em boa parte culpada pelo tempo gasto em um processo.

Assim, a área criminal acaba sendo mais atacada.

Porém, em termos de manifestação, toda a área jurídica, acaba tendo problemas de manifestação. continuar lendo

Excelente explanação, Dr!
Trabalho (faço estágio) em um escritório de advocacia que tem como cerne principal a advocacia criminal. Meus amigos, conhecidos, colegas, familiares da minha namorada e até mesmo os meus familiares não entendem o real papel do advogado criminalista pois, se julgam, na maioria das vezes, "homens e mulheres de bem" que nunca precisarão dos nossos serviços. Dessa forma, esquecem por exemplo, que beber e dirigir é crime e, ainda assim, praticam a conduta, por serem "cidadãos de bem". Após serem autuados, lembram-se daquele denominado "porta de cadeia" para livrá-los da prisão, lembram-se do Direito de defesa, querem uma segunda chance, dizem que o ato praticado, apesar de ser delituoso, foi uma "besteira". A nossa luta diária não se limita a juízes autoritários, promotores justiceiros, policiais corruptos (sem generalizar, diga-se de passagem) , mas,se expande ao reconhecimento da importância da classe como parte da sociedade. Continuemos na luta! Forte Abraço! continuar lendo

Para grande parte da sociedade, seria muito bom existir um local para onde fosse enviado todos aqueles que cometessem um erro. E que, de preferência, tal julgamento fosse sumário, ou seja, que o erro tivesse sempre como resultado uma resposta ágil, agressiva e de preferência com a mesma intensidade.

E, de repente, quem surge para colocar as coisas em seu devido lugar? Quem surge para levantar a voz pela defesa, pelo devido processo legal, pelo respeito e acompanhamento da produção das provas, que tanto podem consubstanciar uma condenação, ou ser a garantia necessária para uma absolvição?

Justamente o advogado criminalista! E, como em tempo de direito penal do autor, o encarceramento como "solução" para todos os males, a criação de figuras penais como solução para todos os problemas, qualquer voz que levante contrário ao estado de coisas, nunca será bem vista, quanto mais ouvida!

Portanto, a todos aqueles que, seja por vocação, seja por destino, escolhem o caminho da defesa contra tudo e todos, quando o acusado não tem a mais ninguém para recorrer ou buscar auxílio, sigam neste caminho.

A defesa sempre terá seu lugar. Qualquer coisa ao contrário disto nada mais é do que uma ditadura, e bem sabemos como todos elas terminam... continuar lendo

Com o estado da natureza dominando a sociedade brasileira, manifestada com a produção elevada de crimes, convertidos em processos e atingindo o STF - Supremo Tribunal Federal, existe resistência, implícita, ao acesso de juristas criminais aos tribunais superiores. Possivelmente, alguns intelectuais entendem que o advogado criminal influencia, negativamente, a comunidade. continuar lendo