jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2017

Ninguém jamais vai calar a advocacia!

Canal Ciências Criminais
há 2 anos

Ningum jamais vai calar a advocacia

Por Jean de Menezes Severo

Fala moçada! Baita alegria escrever esta coluna, ainda mais quando sou contratado pela FACOS, da cidade de Osório/RS, para assumir a cadeira de Direito Penal. Mais um sonho realizado na caminhada deste vivente. Agradeço a minha esposa e filhos pelo incentivo, aos professores e colegas pelo aprendizado, ao Canal Ciências Criminais, minha segunda casa, e principalmente a Deus, por nunca ter me abandonado. Pois bem, vamos meter bala! Mais uma coluna e já era.

Durante as férias, fui surpreendido por uma pergunta feita pelas minhas pitocas, Belinha e Izinha, que me perguntaram na hora do almoço: Pai quando tu descobriste que queria ser advogado?

Voltei no tempo, oito anos de idade, pátio da escola Estadual de Primeiro e Segundo Grau Padre Rambo, localizada em um bairro pobre de Porto Alegre. De longe percebi que meu melhor amigo de apelido Kojak (personagem de um seriado da época), estava sendo insultado por um outro colega com ofensas racistas. Aproximei-me daquela situação e defendi meu amigo, falando alto, bonito e quando o ofensor tentou me agredir, acertei-lhe um cruzado na ponta do queixo e resolvi a situação. Na minha escola, além de aprender a ler, escrever e fazer conta, nós tínhamos que saber nos defender.

Quando saía de dentro da escola, abraçado no Kojak que ainda estava meio chateado, ouvi do porteiro da escola, o seu Zé, que, com um sorriso no rosto, disse a todos que estavam presentes: Este guri vai ser adEvogado! E me afagou os cabelos num gesto de carinho e admiração.

Durante o caminho, fui para a casa todo orgulhoso e pensativo, afinal de contas, o que é ser advogado? No entanto, meu castelo de areia ruiu na manhã do dia seguinte. A mãe do menino que no qual eu dera o soco foi até minha casa fazer “queixa” e, naquela época, pai ou mãe que fossem interpelados por “queixa” causada pelo filho era uma ofensa terrível. Gente, apanhei muito da mulher que me pôs no mundo; conheci o triatlo da violência do espancamento: apanhei de fio, taco de madeira e de uma espada de plástico endurecido do personagem He-Man. Foi difícil e o pior era ter que ir para a escola no outro dia com as pernas todas marcadas por aquele “ritual”. Ela fez questão que eu usasse bermudas para que todos assistissem a sua “obra de arte” e que na casa dela tinha ordem e respeito. Tempos difíceis para um guri que não conhecia as maldades da vida!

O tempo passou e me tornei advogado criminalista, profissão feita para homens e mulheres de coragem. E isso eu já tinha aprendido aos oito anos de idade.

Vejo ultimamente que profissionais do Direito tem sido frequentemente atacadas, especialmente pela própria sociedade em geral, por exercerem seu ofício. Usam a mesma fala hipócrita e rasa de que “defendemos bandidos” e “assim contribuímos para a criminalidade”.

Balela, papo furado, conversa mole…

Esses críticos da advocacia criminal e dos advogados criminalistas são os mesmos que, quando têm um filho, um neto, um sobrinho presos com um “baseadinho”, choram no meu escritório querendo “justiça”, oferecendo-me honorários acima da média e mais; quando “baixam presídio” pedem pro Doutor aqui dar um “apoio” pro “primário”, afinal de contas, ele não é “bandido” e cadeia não foi feita pra ele!

Sou a favor sim do manifesto feito por advogados criminalistas contra o juiz Moro.

Juiz? Infelizmente, o Dr. Moro ainda não se decidiu se é delegado de polícia ou promotor de justiça, porque, me desculpem, o único papel que ele não vem desempenhando é o de juiz. Quer produzir prova, assumir a investigação e pior: o que é favorável aos réus simplesmente some das delações premiadas. Pode isso Arnaldo? NÃO em um sistema acusatório como o nosso!

Delação PIADA, ou melhor copiada da Itália, com um sistema processual completamente diferente ao nosso, no qual acordos são feitos e uma pena de 283 anos de reclusão é reduzida para pouco mais de 07 anos após uma delação premiada. Meu Deus! Assim eu minto o quanto o senhor Moro quiser. Coloco na conta de todo mundo e já era: salvei o meu o resto que se dane!

O doutor Moro quer repetir no Brasil a tão criticada Operação Mãos Limpas. Muitos podem ser sido talvez justamente presos e condenados, mas um número muito maior de inocentes teve sua vida estragada pelo combate irracional à criminalidade. E, hoje, a Máfia ainda existe, mas sem a figura de Dons Corleones por aí. Ela é mais sutil. Do que adiantou a Mani Pulite então?

Não somos nós, advogados criminalistas, os causadores da criminalidade. O Estado tem sua culpa e deve tomar para si esta responsabilidade. Escuto muito pouco promotores e juízes criticando o Estado. Será que por que são partes da mesma engrenagem? Eu não sou pago pelo Estado, não compactuo com as barbaridades realizadas por ele. Botar na conta de nós criminalistas é mais fácil, né Dr?

Mas sabem o que é pior: Daqui a alguns anos, esses mesmos críticos da advocacia criminal, quando vierem a se aposentar, assim como o ex-Ministro Joaquim Barbosa, vem a bater na casa da OAB, pedindo a sua inscrição para ADVOGAR TAMBÉM. Eu vejo promotores, juízes, desembargadores advogando diariamente no foro. Não sou contra não, mas, ao menos, não venha a criticar nós advogados quando do exercício pleno da advocacia. Porém, já vou lhes avisando: Existe uma praga de madrinha que diz: AQUELE QUE SÓ PRENDEU, SÓ ACUSOU, JAMAIS VAI APRENDER A SOLTAR!

Não é sem razão que, após a Emenda Constitucional nº 45, de 2004, passou a ser exigência para ingresso na Magistratura, no Ministério Público, e, até mesmo, na Defensoria Pública, que o futuro servidor público possua alguns anos de prática na advocacia. Ou seja, o novo promotor e o novo juiz, antes de tudo, devem ter sido advogados, devem ter aprendido a peticionar, a redigir uma inicial, a pedir algo para o juiz, a ouvir um não; uma liminar não concedida, uma liberdade provisória indeferida, uma prisão injusta para valorizarem a liberdade e perceberem que o Direito não está nas letras mortas da lei e dos livros.

Além disso não podemos nos esquecer do Quinto Constitucional, isto é, 20% de todo Tribunal deve ser composto por membros oriundos da advocacia ou do Parquet. Desse modo, os novos desembargadores já foram advogados também. Isso não significa que todo juiz-advogado vá soltar, assim como que todo juiz-promotor vá prender. Pelo contrário! Tenho vistos vários casos em sentido completamente opostos. O que vale é oxigenar nossos Tribunais.

Um dos desembargadores pelo qual mais tenho respeito e admiração no TJRS, tanto como juiz, como acadêmico, é um antigo promotor de justiça, mas, que surpresa, seu índice de soltura, de respeito aos direitos e garantias dos presos é um dos mais elevados da Corte. É possível sim ser um promotor que respeite as regras do jogo; na realidade, é o MÍNIMO que se espera.

Por isso, meus amigos, devemos sim fazer de tudo para que um dos mandamentos mais importantes de nossa Constituição Federal seja respeitado; ele não está ali “para bonito”. Falo do magnânimo art. 133: O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.

Não existe Direito só com promotor e juiz, por isso a importância dos advogados. Por isso que todo futuro juiz e promotor devem ter sido, antes, advogados.

Te liga! Sou advogado de defesa, somos advogados e amamos nossa profissão.

Obrigado a todos os advogados que me ensinaram esse ofício.

Obrigado Antônio Prestes do Nascimento.

Obrigado a todos os advogados e professores do PPGCRIM da PUCRS.

Obrigado aos juízes de verdade que acompanham nossas angústias e ficam afastados da prova deixando que as partes a produzam.

Obrigado Desembargador que escuta minha sustentação oral no Tribunal.

Obrigado promotor que não denuncia por denunciar e pede a absolvição quando deve pedir.

Obrigado Deus por ter me feito advogado e mesmo levando uma baita surra quando criança não ter desistido de ser AdEvogado, como dizia o seu Zé!

Fonte: Canal Ciências Criminais

Ningum jamais vai calar a advocacia

12 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Toda vez que eu leio essa coluna eu fico maravilhada. Maravilhada com a paixão deste cara pela advocacia. Isso é o que falta, isso é o que deveria nos mover. Porque eu não sei vocês, eu não "estou advogada", eu sou advogada, e é um presente maravilhoso exercer esta profissão. Embora eu não atue na mesma área que o nosso nobre colega, compactuo com a mesma paixão! continuar lendo

Excelente texto.
Para ser sincero, serve como um alento aos sentimentos que tenho nesse início de carreira. Em pouco tempo já senti o que o autor afirma: esta é uma profissão feita para homens e mulheres de coragem.
Obrigado e boa luta! continuar lendo

Muito bonita a sua história de vida e de como sua vocação foi construída desde tão cedo. Admiro os profissionais que defendem a sua causa com amor e compromisso. Sou Policial Militar do Estado da Bahia, licenciado em História por uma universidade pública do Estado e concluinte do Bacharelado em Direito pela mesma universidade. Assim como você também sou oriundo de família humilde, porém muito honesta e disciplinadora, que sempre viu no conhecimento a melhor forma de conquistar a independência.
Iniciei o curso sem muitas pretensões, mas, aos poucos fui gostando e percebendo o tanto que é prazeroso ao ponto de já ter concluído uma pós graduação na área da criminologia mesmo antes de tê-lo findado.
Sou apaixonado pelas ciências criminais e no decorrer da minha profissão mudei muito a minha postura ao lidar com infratores, Delegados, Agentes de Polícia e até advogados, e atribuo essa mudança por ter conhecido o Código de Processo Penal e seus princípios. Antes disso via com maus olhos a profissão do Advogado e achava que a Delegacia de Polícia não passava de um balcão de negócios... e que todo infrator deveria ser punido com o máximo rigor da lei.
A par do conhecimento que adquiri no curso de História, como todo seu aspecto humanista e crítico aliado aos conhecimentos jurídicos passei a entender as nuances da criminalidade e passei a pensar e agir racionalmente sobre o tema, sobre o qual as questões etiológicas e sociológicas do crime têm muito à nos esclarecer.
Sobre o Processo Penal e a posição do infrator como parte (se é que pode se chamar assim) acompanho com muito gosto os ensinamentos do ilustre Doutrinador Aury Lopes Junior que nos revela um Processo garantista tendo como pilar fundamental a "paridade de armas", onde as garantias processuais devem ser estendidas às partes com isonomia.
Sobre os Advogados, os tenho como profissionais dignos de respeito e mais ainda os criminalistas, pois, sabemos que sua labuta nas delegacias não é fácil, tendo em vista a discriminação as quais são submetidos em virtude do senso comum apontá-los como defensores de bandidos. "Perdoai-vos ó pai, eles não sabem o que Dizem..."
Não quero entrar aqui no mérito da corrupção e do "jeitinho brasileiro", prática muito recorrente nesse ramo criminal. Quero somente enaltecer a figura dos bons profissionais.
No tocante ao mais alto escalão da magistratura, acho que o fato de ser composto por mentes oriundas da elite, nela ainda persiste um ranço elitista e segregador, que atende de maneira ainda evidente aos anseios da classe social e política dominante. Tenho fé que com a chegada dos Silva, dos Souza, dos de Jesus à esses postos, talvez os casos sejam analisados com mais empatia, não se apegando pura e simplesmente à fria letra da lei.
Sobre o infrator e a criminalidade, mesmo com o pensamento moderno sobre as causas da violência apontarem fatores novos, como a ascensão do tráfico de drogas e a corrupção em detrimento da desigualdade social, ainda acho que esse último ainda é a principal causa.
Sem mais delongas, queria só registrar o meu respeito pelos profissionais da Advocacia, aos criminalistas e principalmente aos Defensores Públicos. Sem vocês, a nossa democracia e os direitos fundamentais sofreriam sérios obstáculos. continuar lendo

Muito interessante e admirável. Uma profissão que pretendo exercer com compromisso e seriedade.Admiro os advogados que assumem essa profissão levando a sério sua responsabilidade de cumprir a Lei independente de qualquer coisa e de qualquer crítica seja ela negativa ou positiva. Tenho muito respeito pelos profissionais do Direito. Tanto que escolhi esse caminho pra percorrer na vida e dedicar a obter conhecimento necessário para cumprir com os requisitos de um bom advogado e cumpridor da Lei. continuar lendo