jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2019

Entenda a diferença entre bagatela própria e bagatela imprópria

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
há 7 meses

Por Evinis Talon

Nos crimes patrimoniais sem violência ou grave ameaça, especialmente no furto, uma das teses mais utilizadas é a invocação do princípio da insignificância.

Por esse princípio, há um afastamento da tipicidade material da conduta, porque a lesão ao bem jurídico tutelado é mínima. Salienta-se, por oportuno, que o princípio da insignificância não afasta a tipicidade formal, porque permanece a subsunção da conduta ao tipo penal.

Aplicando o princípio da insignificância, entende-se que não há tipicidade material, não havendo, por conseguinte, fato típico, primeiro elemento do conceito analítico de crime. Logo, não há crime.

Insta destacar que o princípio da insignificância não tem previsão legal, mas é amplamente aceito pela doutrina e jurisprudência.

Aliás, os Tribunais Superiores fixaram alguns requisitos (HC 92.463 e HC 92.961 no STF e Resp 1084540 no STJ) para que se possa reconhecer a insignificância de determinada conduta em um caso concreto. São eles:

a) mínima ofensividade da conduta;

b) a ausência de periculosidade social da ação;

c) o reduzido grau de reprovabilidade do comportamento;

d) a inexpressividade da lesão jurídica.

Insta destacar que a bagatela própria está regida pelo princípio da insignificância, que exclui a tipicidade material (STF, HC 84.412-SP).

Por outro lado, a bagatela imprópria consiste na constatação da desnecessidade da pena. A jurisprudência, de modo reiterado, afasta a bagatela imprópria, reconhecendo que, se o fato é formal e materialmente típico (não se aplicando a bagatela própria), há crime.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul:

Para o reconhecimento da bagatela imprópria, exige-se sejam feitas considerações acerca da culpabilidade e da vida pregressa do agente, bem como se verifique a presença de requisitos permissivos post-factum, a exemplo da restituição da res à vítima, do ressarcimento de eventuais prejuízos a esta ocasionados e, ainda, o reconhecimento da culpa e a sua colaboração com a Justiça. Assim, mesmo se estando diante de fato típico, ilícito e culpável, o julgador poderá deixar de aplicar a sanção por não mais interessar ao Estado fazê-lo em detrimento de indivíduos cujas condições subjetivas sejam totalmente favoráveis. (TJ/RS, Oitava Câmara Criminal, Apelação Crime Nº 70076016484, Rel. Naele Ochoa Piazzeta, julgado em 31/01/2018)

A alegação de desnecessidade da pena (bagatela imprópria) é muito utilizada nos processos que tratem de crimes relacionados à violência doméstica (Lei Maria da Penha), quando ocorre a reconciliação do casal. Entretanto, em várias decisões, o Superior Tribunal de Justiça afastou a bagatela imprópria. Cita-se, por exemplo, o seguinte julgado:

AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. VIAS DE FATO COMETIDA NO ÂMBITO FAMILIAR CONTRA MULHER. PRINCÍPIO DA BAGATELA IMPRÓPRIA. INAPLICABILIDADE. AGRAVO NÃO PROVIDO. 1. O Superior Tribunal de Justiça tem jurisprudência reiterada de que não incide os princípios da insignificância e da bagatela imprópria aos crimes e às contravenções praticados mediante violência ou grave ameaça contra mulher, no âmbito das relações domésticas, dada a relevância penal da conduta. Logo, a reconciliação do casal não implica no reconhecimento da atipicidade material da conduta ou a desnecessidade de pena (Precedentes). 2. Agravo regimental não provido. (AgRg no REsp 1602827/MS, Rel. Ministro RIBEIRO DANTAS, QUINTA TURMA, julgado em 20/10/2016, DJe 09/11/2016)

Como se observa na ementa, o STJ decidiu que a reconciliação do casal é irrelevante, porque não permite a aplicação do princípio da insignificância (atipicidade material da conduta), tampouco a bagatela imprópria (desnecessidade da pena).

Fonte: Canal Ciências Criminais

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Até entendo que essa questão deve ser levada em conta porque não se pode movimentar todo o sistema jurídico-penal por "bagatela", mas esse "deixar pra lá" me incomoda porque sempre fica a questão da vítima. Como dizer para a vitima que o crime do qual ela foi vitima é "bagatela"?. Deveria haver um meio termo, onde o Juiz de primeira instância pudesse aplicar uma pena alternativa, como uma prestação de serviço ou obrigação de ressarcir o dano após reconhecer a situação de "bagatela" e se o acusado concordasse, estaria abrindo mão de recurso, como uma suspensão condicional no processo, mas com obrigação de ressarcir a vitima ou a sociedade. É muito frustrante ver uma vítima ter um celular velho ou um dvd furtados e saber que isso vai dar em nada, mesmo em casos como os de supermercado, que são obrigados a manter equipes de vigilância caras para vigiar ladrões e quando pegam um, também é "bagatela" e os ladrões sabendo disso continuam e continuam. Não acho isso justo. continuar lendo