jusbrasil.com.br
21 de Janeiro de 2020

Pai de menino que teve braço amputado após ser atacado por tigre é condenado pela Justiça

Por Redação

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
há 2 meses

O pai do menino Vrajamany Fernandes Rocha, que teve o braço amputado após ser atacado por um tigre no zoológico municipal de Cascavel (PR), foi condenado pelos crimes de lesão corporal e omissão a três anos de prisão. Marcos do Carmo Rocha cumprirá pena em regime aberto. A sentença foi prolatada pela juíza de Direito Fernanda Consoni, na última quinta-feira (28).

O caso aconteceu em julho de 2014, quando a criança, à época com 11 anos, passeava com o pai. Em síntese, imagens gravadas por outros visitantes demostram que o menino desobedeceu as placas e pulou a grade de proteção onde estava o tigre. Ele foi atacado em seguida. Para a magistrada Fernanda, o pai não agiu para impedir o ataque e estava ciente do risco que o filho estava sendo exposto.

Conforme a julgadora, a atitude do pai demonstra ausência de cuidado e proteção. Para ela, o pai incentivou o filho a ficar perto da grade para tirar fotos e para que ele mexesse com o animal. O pai cumprirá pena em regime aberto com prestação de serviços comunitários e restrição de circulação em horários determinados. A pena do caso foi agravada porque o menino perdeu o braço no ataque.

Fonte: Canal Ciências Criminais


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

7 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Sinceramente, não conseguimos entender a mente do ser humano. Fica impossível acreditar que na visão jurídica, o pai queria ver o seu filho sem braço, não sabemos exatamente nada do nada, em relação a entender isso. É lamentável, é se o meninos tivesse morrido, então, o pai iria para cadeia, mas, qual seria a maior punição para um pai, agora, ver seu filho amputado. Acorda Brasil. continuar lendo

Olá, a visão jurídica aplicada no caso, para facilitar o entendimento, pode ser comparada aos casos de motoristas alcoolizados que atropela alguém. Não há a intenção de atropelar, mas pelo fato de dirigir sob efeito de álcool, presumindo-se a ciência dos riscos que isso acarreta, a punição é a mesma de alguém que quer cometer o atropelamento.
Nesse caso da reportagem, como o pai induziu o filho a não respeitar o limite de segurança, presumindo-se que ele tinha conhecimento dos riscos de se aproximar da grade, ele responde pelas consequências, mesmo que não desejasse que o filho fosse atacado. continuar lendo

Se um pai deixa seu filho de 1 ano correr solto pela rua, sabendo que pode ser atropelado, ele não quer que o mesmo seja atropelado, mas sabe que isso pode acontecer.
Eu fico p**** quando vejo crianças pequenas andando soltas na calçada, sabendo que a qualquer momento podem sair correndo e morrerem atropeladas, é CULPA do pai que permitiu seu filho estar sob tal situação, já que estava junto dele e não zelou pela sua segurança.
Minha vontade é de dar uns bons tapas na cara do pai pra ver se acorda, mesma coisa quando eu estava na piscina com minha família e uma criança de uns 2 anos sem boia estava se afogando, socorri a criança e seus papais estavam bem belos curtindo sem supervisionar seu filhinho, levaram um baita esporro da minha parte e de mais alguns que viram a situação e ajudaram a socorrer a criança. continuar lendo

Olha respeito a opinião e o exemplo dado, mas, caso de uma pessoa chegar em determinado lugar da sociedade e encher caco de álcool e, depois sair e pegar em um volante e matar alguém ou mesmo deixar sequelas irreparáveis, pra mim, isso no caso de morte e assassinato e no mais é crime, tem que ser punido a altura. Não dá para comparar com este caso, embora a lei em alguns casos é cega e fria e calculista. continuar lendo

Quando um criminosos amputa o braço de um inocente ele é oprimido pela sociedade e não merece condenação.

Merece ressocialização;

Os Direitos Humanos ou a OAB foram defender o pai? continuar lendo

Com um pai desses , melhor ser orfão!! continuar lendo

Dois ausentes de cognição. O animal nao teve culpa alguma. continuar lendo