jusbrasil.com.br
23 de Setembro de 2021

Qual é a diferença entre contrabando e descaminho?

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
há 6 anos

Qual a diferena entre contrabando e descaminho

Por Cezar de Lima

No último dia 02, a Polícia Federal deflagrou uma operação de combate ao contrabando de cigarros em quatro Estados (RS, SC, PR, MT). A operação, denominada Travessia 14, apura também a prática de Lavagem de Dinheiro e estima que o prejuízo com a sonegação de imposto aproxima-se de R$ 2 milhões de reais.

A divulgação na mídia jornalística da operação desencadeou nos meus familiares e amigos aquele velho questionamento. Qual é a diferença entre contrabando e descaminho?

A pergunta apesar de rotineira se faz muito atual, sobretudo porque a Lei nº 13.008/14 alterou recentemente a disposição dos crimes de contrabando e descaminho previstos no Código Penal.

No que tange a estrutura nuclear de cada tipo penal não tivemos nenhuma alteração importante. Dessa forma a prática de contrabando consiste na importação ou exportação de mercadoria proibida, atentando contra a saúde pública e administração pública. Por sua vez, a prática de descaminho é a ilusão do pagamento do tributo de mercadoria permitida, ofendendo a ordem tributária. [1]

Apesar disso, a lei 13.008/14 trouxe algumas modificações importantes que serão abordados nesta coluna.

A primeira alteração que daremos destaque diz respeito à separação dos delitos em dois tipos penais distintos. Antes da reforma as duas condutas delitivas estavam descritas no mesmo dispositivo legal, a partir de 2014 o delito de descaminho está descrito no art. 334 e o crime de contrabando no art. 334-A, ambos do Código Penal. Vejamos:

Art. 334. Iludir, no todo ou em parte, o pagamento de direito ou imposto devido pela entrada, pela saída ou pelo consumo de mercadoria

Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.

Art. 334-A. Importar ou exportar mercadoria proibida:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos.

Podemos observar que a separação dos delitos não apresentou conseqüências relevantes ao sistema penal. No entanto, trouxe uma alteração nas penas, uma vez que o delito de descaminho permanece a mesma (1 a 4 anos de reclusão), ao passo que a pena o crime de contrabando foi fixada em 2 a 5 anos de reclusão.

Por conta do caráter mais severo, essencial alertar ao leitor que o aumento da pena do delito de contrabando impacta em questões processuais de suma importância, dentre elas:

  • Não se admite mais a suspensão condicional do processo, pois a pena mínima é superior a 1 ano;
  • É admitida a hipótese de prisão preventiva, haja vista que a pena máxima é superior a 4 anos;

Além do mais, as mudanças legislativas também influenciaram no cenário das agravantes. Antes da reforma, tanto o contrabando quanto o descaminho poderiam ter a pena dobrada se o crime fosse praticado por meio aéreo. A partir de agora, além do transporte aéreo, a pena poderá de dobrada se os delitos forem cometidos através de transportes marítimos ou fluviais:

Art. 334 e art. 334-A

3oA pena aplica-se em dobro se o crime de contrabando é praticado em transporte aéreo, marítimo ou fluvial.

Sobre essa alteração, observa-se que o legislador visou estender a agravante para punir de forma mais severa os agentes que praticam o contrabando de cigarros vindo de outros países, em especial do Paraguai. Esse produto, sem dúvida, merece a nossa atenção quando falamos em contrabando devido à freqüência de casos. Para tanto, faremos uma divisão: (i) cigarro brasileiro para exportação e (ii) cigarro estrangeiro.

Os cigarros produzidos no Brasil para exportação gozam de imunidade tributária (art. 153, § 3º, inc. III da CF) e por essa razão não podem ser importados. Nesse caso, não há dúvida que estamos diante do crime de contrabando. [2]

Tal prática é muito comum na fronteira com o Paraguai, onde os brasileiros “reimportam” clandestinamente o produto que saiu do Brasil imune de tributo para ser vendido aqui no Brasil.

Agora, em se tratando de cigarro estrangeiro, segundo BALTAZAR JUNIOR, podemos encontrar três posições: (i) há quem sustente ser um delito de descaminho, pois não se trata de mercadoria proibida; (ii) por outro lado, existem posições que consideram delito de contrabando, pois deve receber o mesmo tratamento dos cigarros nacionais para exportação; e por fim, (iii) existe uma corrente que sustenta que somente há contrabando se a comercialização do cigarro for proibida no Brasil, conforme norma da ANVISA. [3]

Diante disso, alertamos ao leitor que a importação ilegal de cigarros pode ser considerada tanto descaminho quanto contrabando.

Fonte: Canal Ciências Criminais

__________

[1] BALTAZAR JUNIOR, José Paulo. Crimes Federais.9. Ed. São Paulo: Saraiva, 2014. P. 386.

[2] TRF3, SER 00042793720094036000, Nelton dos Santos, 2ª Turma, Dje 26.2.13)

[3] BALTAZAR JUNIOR, José Paulo. Crimes Federais.9. Ed. São Paulo: Saraiva, 2014. P. 388.

Qual a diferena entre contrabando e descaminho

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A diferença mais evidente está na licitude da mercadoria.

Importar/Exportar - Mercadoria PROIBIDA = Sempre será objeto de Contrabando.

Importar/Exportar - Mercadoria PERMITIDA = há 2 hipóteses:
(a) Transação Legal - Se for pago o imposto devido; ou
(b) Descaminho - se for iludindo, no todo ou em parte, o imposto devido. continuar lendo

"Os cigarros produzidos no Brasil para exportação gozam de imunidade tributária (art. 153, § 3º, inc. III da CF) e por essa razão não podem ser importados. Nesse caso, não há dúvida que estamos diante do crime de contrabando."

Contrabando não é: consiste na importação ou exportação de mercadoria proibida, atentando contra a saúde pública e administração pública? Nesse caso não seria descaminho? Já que descaminho é a ilusão do pagamento do tributo de mercadoria permitida, ofendendo a ordem tributária.

Quando brasileiros “reimportam” clandestinamente o produto que saiu do Brasil imune de tributo para ser vendido aqui no Brasil. A mercadoria é LEGAL só não pagou devidamente os tributos.

Está correto e seu trecho entre aspas? continuar lendo

Quanto a importação poderíamos definir em regra geral em duas regras:
a) Importação automática , aquela que legislação não tem restrição na classificação do produto.
b) Importação LI (Licença de importação) ; esta exige uma autorização previa da sua liberação de órgão competente antes mesmo do embarque.(Ex. Medicamentos, armas , munições, cigarros....).
O contrabando e revestido de dolo, normalmente a mercadoria é introduzida no pais por meios ardil, obscuro e tordo. No intuito intencional de não passar pela fiscalização
e o não pagamento do imposto devido. Caso caminho escolhido seja fluvial ou aéreo a um agravante na pena . Caso o passageiro procedente do exterior apresenta na fiscalização com produto com restrição (LI) na alfândega , deve consultar norma vigente e não se caracteriza contrabando por estar no Território Aduaneiro (trânsito) . A mercadoria deverá ser confiscada. Caso o passageiro seja conduzido a fiscalização transportando mercadoria de forma oculta (fundo falso e outros). Caracteriza dolo.
O Regulamento Aduaneiro tem suas peculiaridades . continuar lendo

Apenas corrigindo o valor (ínfimo quiçá) apresentado cito noticia do G1
http://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2013/06/contrabando-cria-prejuizo-der100-bilhoes-por-ano-no-brasil-diz-rf.html

Contrabando cria prejuízo de R$ 100 bilhões por ano no Brasil, diz RF continuar lendo

Prejuízo é o estado que dá aos bolsos dos comerciantes que tem que pagar essa caralhada de impostos todos os dias.

Somos escravos do estado e tem gente que acha que contrabando é crime.

Crime é a cobrança compulsória de um valor contra a minha vontade, o nome disso é ROUBO. continuar lendo