jusbrasil.com.br
17 de Junho de 2021

Nas entranhas na Deep Web, a face oculta da Internet

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
há 6 anos

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

Por Bernardo de Azevedo e Souza

Recente levantamento da União Internacional das Telecomunicações, uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU), constatou que existem 3,2 bilhões de internautas no mundo. Se há 15 anos os usuários representavam 6,2% da população mundial (cerca de 400 milhões), atualmente o índice se encontra em 43%. A despeito dos avanços nos últimos anos, 4 bilhões de pessoas em todo o globo ainda não possuem acesso à Internet, sobretudo nos países menos desenvolvidos, onde, de um total de 940 milhões de pessoas, apenas 89 milhões estão conectadas.

No Brasil, quase metade (48%) da população utiliza a rede mundial de computadores. Conforme dados da Pesquisa Brasileira de Mídia, o percentual de pessoas que a usam diariamente cresceu de 26% (2014) para 37% (2015). Na comparação entre os dois últimos anos, constata-se que a habitualidade também aumentou. Em 2014, os usuários das novas mídias ficavam conectados, em média, 3h39min por dia durante a semana e 3h43min nos finais de semana. Hoje, os internautas ficam 4h59min e 4h24min, respectivamente, patamar que superou as horas expostas à televisão. A preferência pela utilização dos aparelhos celulares como principal ferramenta de acesso à Internet tem aumentado nos últimos anos, notadamente pela influência das redes sociais. Entre os internautas, 92% estão conectados, sendo 83% no Facebook, 58% no Whatsapp e 17% Youtube.

De toda essa gama de usuários, a grande maioria acessa somente o conteúdo disponibilizado na denominada Surface Web, que, de modo objetivo, se refere àquelas páginas que podem ser encontradas por meio dos motores de busca em geral (Google, Yahoo e Bing, etc.). O internauta que deseja saber mais sobre “Internet”, por exemplo, encontrará cerca de 4.210.000.000,00 resultados sobre o assunto no Google, 3.850.000.000,00 no Yahoo e 3.710.000.000,00 no Bing.[1] Apesar do altíssimo número de resultados apresentados, na casa de bilhões, a Surface Web representa surpreendentemente apenas uma pequena parcela da rede. Há todo um universo abaixo desta superfície que é desconhecido pela maioria dos usuários. Trata-se da face oculta da Internet, o que se convencionou denominar Deep Web.

O termo, em verdade, foi criado por Michael K. BERGMAN, pesquisador que há mais de uma década desenvolveu o software Bright Planet, especializado na coleta, classificação e pesquisa de conteúdos contidos no lado obscuro da rede. Em oposição à ideia de superfície (superficialidade) contida na palavra Surface Web, a expressão Deep Web remete ao significado de profundeza (profundidade), estando aqui abrangidos todos aqueles conteúdos que as pessoas não conseguem encontrar utilizando os motores de busca tradicionais.

Para se referir à Deep Web são frequentemente empregados outros termos, tais como Hidden Web ou Invisible Web. Há, no entanto, divergência entre os pesquisadores sobre a terminologia mais adequada. Alguns autores entendem, por exemplo, que o complemento “invisível” é incoerente por denotar algo inatingível, fora de alcance, o que não é verdade, visto que, com as ferramentas necessárias, é possível acessar os conteúdos não alocados na Surface Web. Nesse sentido, Hidden Web ou Deep Web seriam termos mais apropriados.

Em face da inexatidão da terminologia, no decorrer dos últimos anos foram desenvolvidas diversas analogias com a finalidade de melhor compreender a rede profunda. A primeira (e talvez a mais conhecida) é a analogia do iceberg. Nela, a Surface Web é representada pelo topo, visível e facilmente acessível, embora pequeno em termos de conteúdo; enquanto que a Deep Web é retratada pela base, a parte submersa que não se pode enxergar e cujo tamanho exato não se pode precisar:

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

Para compreender a Deep Web também se utiliza a analogia do barco pesqueiro. De acordo com esta concepção, proposta por BERGMAN, os mecanismos de busca tradicionais seriam equivalentes a pequenos barcos pesqueiros: apesar de lançar suas redes no vasto oceano, só são capazes de capturar uma pequena parcela dos peixes (páginas), aqueles que se encontram na superfície (Surface Web), conforme ilustração a seguir:

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

Para pescar mais peixes (ou seja, encontrar mais páginas/resultados), é necessário um barco mais equipado, que atire suas redes em maior profundidade (Deep Web) e, com isso, aumente o alcance, como na figura ora colacionada:

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

Há, por fim, a analogia da árvore. A Surface Web estaria aqui representada pela parte superior da árvore (caule, flores, folhas e frutos), onde estariam os motores de busca (Google e Yahoo), os browsers (Internet Explorer e Opera) e as redes sociais (Facebook e Twitter). Já nas raízes estariam os diversos níveis de profundidade da Deep Web, desde torrents (extensão de arquivos utilizados para download de músicas, filmes e arquivos) até informações altamente sigilosas das agências governamentais dos Estados Unidos:

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

Todas estas analogias buscam demonstrar que a Deep Web assume uma dimensão inimaginável se comparada à Surface Web. Todavia, até o presente momento não há exatidão no que diz respeito ao seu tamanho. Para alguns especialistas, representa 80% das páginas existentes na Internet. Sob a ótica de outros experts, abarca 99% de todo o conteúdo da World Wide Web, enquanto a Surface Web apenas 1%. Uma corrente ainda mais radical afirma que a profundidade do conteúdo total na Deep Web equivale a 400 a 500 vezes aquele existente na superfície. Talvez a sinceridade do empresário de tecnologia Anand Rajaraman seja a opção mais sensata para o momento: “Eu não sei, para ser honesto, que fração. Ninguém tem uma boa estimativa de quão grande é a Deep Web”.

Para finalizar, cabe salientar que o estudo da Deep Web encerra inúmeras dificuldades, desde a escassez de obras nacionais e internacionais acerca da temática até os riscos a que se sujeita o usuário ao decidir acessar as entranhas da rede. Como dito na coluna anterior, em termos de tecnologia, sempre haverá os dois lados da moeda (usos e abusos), e o anonimato proporcionado pela face obscura da rede acaba ensejando determinados comportamentos delitivos. O internauta que se aventura neste universo sem adotar as devidas ferramentas de segurança pode acabar se deparando, ainda que involuntariamente, com atividades ilegais como terrorismo, pornografia infantil e comércio de armas e drogas. Mas, afinal, quais são os cuidados que o usuário deve ter ao acessar as profundezas? Como investigar os crimes que lá são praticados? O usuário que acessa esta rede, mesmo com os cuidados necessários, poderá ser rastreado? É possível que todo o conteúdo da Deep Web venha a ser indexado no futuro pelos motores de busca?

Eis alguns dos questionamentos que tentaremos desvelar nas próximas semanas.

Fonte: Canal Ciências Criminais

__________

[1] Pesquisa realizada na data de 04/08/2015, às 21h05min.

Nas entranhas na Deep Web a face oculta da Internet

8 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A Deep Web é apenas o que não pode ser indexado. Quase todo o fluxo informacional do Mundo opera em vias não-indexáveis, por um motivo óbvio: Nem tudo que utiliza a internet é público.

Isso vai incluir transações bancárias (todas as que empregam a internet; grande parte do dinheiro circulante do mundo), trocas de informações (empresas, agências governamentais, governos, etc.), registros e bancos de dados; a estimativa de 99%, no meu entender, ainda é muito baixa.

Naturalmente, por ser inacessível e impossível de ser fiscalizada e rastreada de forma minimamente regular, também tem aptidão para atividades ilegais, mas estas são uma fração mínima do oceano de informação não-indexável. continuar lendo

Perfeita a colocação, não podemos criar uma imagem negativa da Deep Web só porque há pedofilia, fóruns sobre assuntos de magia negra, roubo de dados de cartões.

É a velha história: você pode usar seu carro pra passear com a família ou pode subir com ele numa calçada e esmagar uma criança ... é você quem da uso ao carro, ele por si não deve deixar de existir (ou não por esta razão).

Muita coisa errada também acontece na Surface Web, inclusive a pedofilia, basta saber pesquisar ... que ninguém ache que colocarão um termo óbvio como a própria palavra.

A Deep Web é essencial, deve ser acessada com cuidado sim, e por isso não indico usarem o navegador TOR como se ele fosse resolver o problema do anonimato ... o TOR não dá um anonimato tão seguro assim ... seria melhor virtualizar o Whonix (um linux voltado para navegação anônima).

Mas deixo o gancho aqui. Você tem duas escolhas:

a) navegar de forma aberta sabendo que os sites estão coletando dados pessoais de seus hábitos de navegação na internet e comercializando eles.

b) navegar anonimamente e garantir sua privacidade, o que não significa que está fazendo algo errado, afinal ninguém tem o direito de ler sua correspondência não é mesmo?

Estamos a cada dia vendo a invasão de privacidade tornar-se não um fato que ocorre por trás das cortinas, mas a cada dia mais descarada e com nossa participação. Veja o novo Windows 10 que está ainda mais invasivo do que o 8. A NSA, que trata da segurança nos EUA, obriga o uso de backdoors nos hardwares por lá fabricados.

Qualquer dia navegar anônimo não será uma mera opção, será a única opção. continuar lendo

Acrescento a analogia da Cebola: A casca de fora é aquela acessível a todos. As camadas interiores somente podem ser acessadas através dos mecanismos corretos para tal. Não é a toa que o "Tor", um "browser" para "acesso" à Deep Web, seja uma sigla para "The Onion Router", ou "O roteador da cebola" (tradução livre).
Além disso, em que pese todo mundo pensar que a Deep Web só tem conteúdo ilícito, na verdade, como bem exemplificado no artigo, trata-se de páginas da Web que não estão "indexadas", isto é, que não estão na "camada externa da cebola", "na ponta do iceberg" ou "na superfície do mar". Os próprios torrentes e FTP podem ser considerados como "Deep Web", pois vc necessita de determinadas ferramentas para acessá-los. continuar lendo

Particularmente acho que deveria existir uma classificação diferente, concordo com a classificação de Surface Web, mas não acho que dá para dizer que diferença da Deep e da Surface é apenas o ponto de vista de páginas não são serem indexáveis por mecanismos de busca (o que pode ser feita pelos donos através de mecanismos como o Robots.txt mas podem ser ignorados por certos indexadores).
A "verdadeira" Deep Web, que entendo seria mais adequadamente chamada de Hidden Web, é algo bem diferente desta conceituação de Deep Web, são sistemas que usam TOR, Freenet e principalmente Intranets privadas são algo bem mais "hidden" do que meros sites não indexados. Mesmo redes como TOR e a Freenet não propriamente "hidden" já que são facilmente acessáveis por qualquer um curioso o suficiente o suficiente para entrar nelas na minha opinião. As verdadeiras "hidden webs" são verdadeiras intranets subterrâneas que muitas vezes utilizam de criptografia pesada e acessos altamente controlados e regulados, é quase como entrar em uma máfia. Existem muitos sites desse tipo para conteúdos piratas (algo como piretabays privados) onde a entrada (e permanência) é condicionada a critérios próprios mas eles podem ser de qualquer tipo e de qualquer tipo de material. Em um processo que participei já tive a possibilidade de observar uma rede que foram criadas para troca de materiais pornográficos muito pesados e que, guardada as devidas proporções, o processo para entrar e permanecer era semelhante ao de entrar em um culto secreto daqueles de livros de ficção do Dan Brown. Isso não é Deep, é Hidden mesmo. continuar lendo

Excelente Artigo, indexar todas as páginas, não acredito, até por que ninguém sabe o real tamanho da Deep Web. continuar lendo